Quero um cachorro em casa

Quando começamos a procurar por um cãozinho nos deparamos com mais de quatrocentas raças. Porém, é bom lembrar que os quase duzentos milhões de cães existentes não se encaixam nessa classificação, já que são misturas de duas ou mais raças, ou indivíduos com antecedentes não registrados. São os nossos conhecidos vira-latas ou Sem Raça Definida (SRD).

Ter um cão de raça pura é vantajoso porque nos permite conhecer a tendência daquele cão, uma vez que o padrão de características físicas e comportamentais médias da raça já está descrito. De forma geral, na seleção artificial realizada pelo ser humano, o critério é acasalar cães a partir de suas características morfológicas (das formas físicas), fisiológicas (das funções orgânicas) e/ou psíquicas (da atividade mental, inclusive das aptidões para aprender comportamentos e tarefas), e o resultado é reconhecido num Clube Canino Oficial. A partir daí, apenas cães registrados podem ser cruzados. Isso preserva o padrão estabelecido para a raça.

Criadores de raça pura costumam ser fanáticos pela raça criada e estão buscando sempre aperfeiçoá-las. Mas sabem o quanto é importante, antes de tudo, pensar no bem-estar dos cães e nos resultados da criação, pois muitas vezes, no anseio de produzir cães diferentes, podem ser desenvolvidas características extremadas, que atrapalham os animais. Conseguem evitar isso ao se privilegiar, por exemplo, buldogues que não tenham focinhos tão achatados e que assim consigam respirar bem. Ou sharpeis que não tenham tanta pele “sobrando” e que sejam resistentes a micoses ou infecções as dobras. Ou teckels com uma proporção mais equilibrada de corpo alongado e patas encurtadas que minimize problemas na coluna. É importante lembrar que, ao incorporar a seleção de cruzamentos, o ser humano se torna responsável pelo bem-estar dos animais da sua criação.

Outro ponto fundamental a ser lembrado é a relação entre seleção artificial e doenças herdadas. Juntamente com os genes das características visíveis, são repassados genes “invisíveis” — aqueles que, apesar de presentes, não se manifestaram no indivíduo, mas que provavelmente afetarão descendentes. Alguns acarretam propensão para males como displasia coxofemoral, surdez, cegueira, problemas de coração, diversas doenças de pele e problemas psicológicos. Por isso, ao pesquisar por uma raça, pergunte ao veterinário quais doenças são comuns em sua história. Criadores sérios evitam o cruzamento de cães que têm doenças e conseguem atestar que são cuidadosos com a saúde dos filhotes criados. É importante que você busque esta certificação, pois muitas doenças genéticas fazem o cão sentir dor durante toda a vida.

Na questão da herança de doenças genéticas, os vira-latas costumam levar vantagem. Isto porque eles apresentam maior variabilidade genética, o que diminui a chance de genes in-desejados se manifestarem. Essa característica é comumente chamada de vigor híbrido e é responsável pela fama dos vira-latas serem geralmente mais saudáveis.
Cães sem raça definida também levam a fama de serem mais inteligentes ou de se comportarem melhor. Alguns chegam a aprender rápido onde o cachorro faz xixi e cocô no lugar certo. É um mito que pode ser explicado pela diferença de circunstâncias gerais que cães vira-latas e cães de raça tendem a enfrentar. Cães de raça pura normalmente nascem em circunstâncias privilegiadas, são sociabilizados com humanos desde cedo e logo aprendem a depender de nós para se alimentar, se abrigar e se proteger. Por outro lado, muitos vira-latas frequentemente nascem na rua, em ambientes mais inóspitos, e aprendem desde cedo a se virar sozinhos, procurar sua comida e se proteger sozinhos. Não se trata de inteligência mais aguçada, mas de outra forma de aprendizado de vida.

Devido à variabilidade genética, a aparência dos vira-latas pode ser enganosa. Alguns filhotes herdam as características físicas de um dos pais e os traços de personalidade do outro. É impossível predizer que traços serão herdados em qualquer cruza. Um vira-lata pode parecer um pastor alemão, mas ter pouca inclinação para guarda se no seu cruzamento se manifestarem características de golden retriever, por exemplo. Em cães de origem indeterminada, essas características são verdadeiras surpresas!